Bio Menu

Busca

Sobre o blog

Alimentar-se representa muito mais que apenas ingerir carboidratos, lipídios, proteinas, vitaminas e minerais. Significa relação social, afinal as pessoas comemoram, prazer, indulgencia etc. Neste Blog temos por objetivo discutir todas as faces dos nutrientes e como podemos estabelecer uma ingestão alimentar saudável sem abrir mão do prazer. Com isso pretendemos propor a você pequenas mudanças que farão diferenças importantes na sua vida, venha conosco.

Categorias

Histórico

20/11/2011

Líquido nas refeições, até que ponto é prejudicial?

Muitas pessoas se proíbem de consumir líquido nas refeições com as mais diferentes justificativas. Dizem: “dificulta a digestão”;  “dá barriga”; “engorda” e outras tantas. O que é verdadeiro dentre estas crenças?

Nosso estômago é bastante dinâmico e se adapta aos nossos hábitos por exemplo. Se você iniciar um consumo elevado de alimentos em todas as refeições ele terá sua capacidade aumentada suportando assim maior quantidade de alimento. Desta forma ao consumirmos líquidos nas refeições estaremos impondo ao estômago que se adapte a este volume (líquido + alimento) que repercutirá em aumento do tamanho físico deste órgão.

Um volume grande de alimento + líquido pode trazer a sensação de desconforto gástrico, que repercute em algumas pessoas com mal estar. Esta situação de plenitude gástrica (estômago cheio) já foi sentida por todos nós. Por exemplo, quando sentimos muita sede e consumimos grandes volumes de líquido seguidamente em curto espaço de tempo.

Estudos clássicos demonstram que a ingestão de líquidos junto com as refeições não prejudica a digestão, principalmente porque a digestão não ocorre apenas no estômago, ela se prolonga até o intestino. Alguns pesquisadores acreditavam que ao consumir muito líquido durante a refeição, parte do ácido clorídrico presente no estômago seria diluído comprometendo assim a digestão. Entretanto isto não ocorre, parte do líquido consumido é utilizada para a própria síntese deste ácido que tem sua concentração extremamente controlada pelo organismo (salvo em algumas enfermidades). Isto quer dizer que não ocorre comprometimento da capacidade digestiva pela diluição gástrica. Alguns estudos têm demonstrado até melhora da ação de enzimas digestivas na presença de componentes presentes em algumas bebidas como polifenóis.

A pergunta que resta é: este consumo pode engordar? A resposta a esta indagação é: depende. Pela água não, pois esta não fornece energia. Porém, se a bebida for composta com outros nutrientes como carboidrato, proteína, lipídeo ou álcool, a resposta é sim.

Desta forma a recomendação é, não exagere, se você tem o hábito de ingerir líquidos durante a refeição, não há qualquer problema desde que o volume não seja exagerado (cerca de 250mL por refeição é suficiente). Tome cuidado também com o valor calórico da bebida a ser ingerida!

 

Referência:

Effect of some phenolic compounds and beverages on pepsin activity during simulated gastric digestion. D Tagliazucchi, E Verzelloni, and A Conte. J Agric Food Chem, November 2, 2005; 53(22): 8706-13.

 

Por Luciana O. P. Lancha às 10h23

Ir para UOL Ciência e Saúde

Sobre os autores

Ana Carolina Garcia

Graduação em Nutrição - USP, especialista em Nutrição Aplicada ao Exercício Físico pela Escola de EEFE - USP e especialista em Nutrição Humana Aplicada e Terapia Nutricional pelo IMeN. Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Antonio Herbert Lancha Jr.

Graduação em Educação Física – USP Especialização em Fisiologia do Exercício – UNESP Mestrado e Doutorado em Nutrição Experimental – USP Pós- Doutorado em Medicina Interna – Washington University Professor Titular de Nutrição Aplicada à Atividade Física – USP Coordenador do Grupo de Nutrição do Vita Diretor da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Camila Freitas

Graduação em Nutrição - USP

Pós-Graduação em Gastronomia

Responsável pela área de nutrição das academias Reebok (SP)

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Carla di Pierro

Graduação em Psicologia - PUC SP

Especialização em Psicologia do Esporte - Instituto Sedes Sapientiae

Especialização em Clínica Analítico Comportamental - Núcleo Paradigma

Aprimoramento em Terapia Comportamental Cognitiva - Amban HCFMUSP

Psicóloga da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Desire F. Coelho

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Esporte - USP

Mestrado em Educação Física - USP

Doutoranda pelo Instituto de Ciências Biomédicas - USP

Aprimorando em Transtorno Alimentar pelo AMBULIM HC-FMUSP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luciana O. P. Lancha

Graduação em Nutrição e Esporte – USP Mestrado em Bioquímica – UNICAMP Doutorado em Ciências Biomédicas - USP Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luiz Augusto Riani Costa

Graduação em Medicina – UNICAMP

Pós-graduação em Medicina Esportiva e Fisiologia do Exercício – USP

Doutorando em Fisiopatologia – EEFE/HCFMUSP

Diretor Clínico do setor de Cardiologia dos Laboratórios

Diagnósticos da América (DASA)

Fisiologista do Vita

Médico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Marco D. Leme

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Eng. de Alimentos - Instituto Mauá de Tecnologia

Nutricionista do Grupo de DOR - IOT HCFMUSP e da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Patrícia Campos-Ferraz

Graduação em Nutrição – USP

Mestrado em Ciências dos Alimentos – USP

Doutorado em Biologia Funcional e Molecular pela UNICAMP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Renata C. Sardinha

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo. Nutricionista do Bio Menu Congelados Saudáveis


Rodrigo Ferraz

Graduação em Educação Física - USP

Especialização em Treinamento Desportivo - UNIFESP/EPM

Especialista em Prevenção de Lesão e Treinamento em Pacientes Oncológicos

Preparador Físico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida