Bio Menu

Busca

Sobre o blog

Alimentar-se representa muito mais que apenas ingerir carboidratos, lipídios, proteinas, vitaminas e minerais. Significa relação social, afinal as pessoas comemoram, prazer, indulgencia etc. Neste Blog temos por objetivo discutir todas as faces dos nutrientes e como podemos estabelecer uma ingestão alimentar saudável sem abrir mão do prazer. Com isso pretendemos propor a você pequenas mudanças que farão diferenças importantes na sua vida, venha conosco.

Categorias

Histórico

24/11/2010

Cuidados na combinação dieta, medicamentos e exercícios em pacientes diabéticos

            O diabetes é uma doença metabólica caracterizada por aumento dos níveis de glicose no sangue, provocada por redução na produção de insulina (tipo 1) ou por resistência à ação da insulina com aumento dos níveis de insulina (tipo 2). A presença de hiperglicemia e da própria hiperinsulinemia promovem uma série de problemas no organismo, provocando alterações neurológicas, vasculares e metabólicas importantes tanto aguda como cronicamente, com alto risco de mortalidade. Por outro lado, também pode ocorrer hipoglicemia, especialmente em usuários de insulina injetável, impondo um fator de risco adicional à saúde. Assim, a adoção de medidas terapêuticas e de controle capazes de normalizar os níveis de glicemia são de extrema importância tanto em curto como em longo prazo, garantindo quantidade e qualidade de vida.

            Dentro das medidas de tratamento disponíveis a adoção de um estilo de vida saudável destaca-se com papel preponderante, incluindo-se aqui a dieta e a realização de atividade física. Para a elaboração de um programa de adequado de treinamento é essencial a realização de uma avaliação especializada por equipe multidisciplinar, associando médico, professor de educação física e nutricionista, sendo recomendada atenção a alguns aspectos importantes na orientação de pacientes diabéticos que iniciam um programa de atividade física, especialmente na interação entre dieta e exercícios:

1. realizar automonitorização da glicemia antes, durante e após as sessões de exercício através da análise de sangue da ponta do dedo em aparelho adequado (glicosímetro com fita);

2. ingerir habitualmente uma porção de carboidratos entre 1 e 2 horas antes de iniciar o exercício, evitando o treino em jejum, sendo recomendada ingestão de porções adicionais quando glicemia estiver abaixo de 80-100 mg/dl;

3. usuários de insulina injetável devem reduzir a dose nos dias de treino:

   - insulina intermediária – redução de 30-35% no dia do exercício;

   - intermediária + curta – suspender a insulina de curta duração pré-exercício;

   - multidoses curta duração – ajuste individualizado em função da intensidade e da duração do exercício;

4. evitar exercitar o membro onde foi aplicada insulina de curta duração pelo menos por 1 hora;

5. evitar exercitar-se durante o pico de ação da insulina;

6. exercitar-se com um parceiro que tenha conhecimento dos sintomas da hipo e da hiperglicemia, sabendo como proceder nessas situações, mantendo sempre uma porção de carboidrato de fácil acesso, como barrinha de cereais, frutas ou suco.

            O local para exercício deve ser bem ventilado e com temperatura amena, a fim de evitar hipertermia, com ingestão adequada de líquidos para prevenir a desidratação, evitando também mudanças bruscas de posição por risco de hipotensão postural. Recomenda-se que diabéticos realizem exercícios preferencialmente na companhia de outras pessoas ou de um profissional de saúde, para auxiliar na eventualidade de complicações especialmente a hipoglicemia, quando o paciente apresenta alteração do nível de consciência necessitando de auxílio para ingerir algum carboidrato e recuperar-se.

            Dessa forma, constatamos que a dieta e a atividade física, ao lado da terapia medicamentosa, constituem a base do tratamento e do controle de pacientes diabéticos, devendo-se considerar todos estes elementos conjuntamente na elaboração terapêutica para que se possa garantir melhor efetividade e maior segurança aos pacientes, especialmente na interação dieta – exercícios, que devem estar em estrito equilíbrio e harmonia para evitar episódios indesejáveis de hipo e de hiperglicemia.

Por Luiz Augusto Riani Costa às 01h42

Ir para UOL Ciência e Saúde

Sobre os autores

Ana Carolina Garcia

Graduação em Nutrição - USP, especialista em Nutrição Aplicada ao Exercício Físico pela Escola de EEFE - USP e especialista em Nutrição Humana Aplicada e Terapia Nutricional pelo IMeN. Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Antonio Herbert Lancha Jr.

Graduação em Educação Física – USP Especialização em Fisiologia do Exercício – UNESP Mestrado e Doutorado em Nutrição Experimental – USP Pós- Doutorado em Medicina Interna – Washington University Professor Titular de Nutrição Aplicada à Atividade Física – USP Coordenador do Grupo de Nutrição do Vita Diretor da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Camila Freitas

Graduação em Nutrição - USP

Pós-Graduação em Gastronomia

Responsável pela área de nutrição das academias Reebok (SP)

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Carla di Pierro

Graduação em Psicologia - PUC SP

Especialização em Psicologia do Esporte - Instituto Sedes Sapientiae

Especialização em Clínica Analítico Comportamental - Núcleo Paradigma

Aprimoramento em Terapia Comportamental Cognitiva - Amban HCFMUSP

Psicóloga da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Desire F. Coelho

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Esporte - USP

Mestrado em Educação Física - USP

Doutoranda pelo Instituto de Ciências Biomédicas - USP

Aprimorando em Transtorno Alimentar pelo AMBULIM HC-FMUSP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luciana O. P. Lancha

Graduação em Nutrição e Esporte – USP Mestrado em Bioquímica – UNICAMP Doutorado em Ciências Biomédicas - USP Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luiz Augusto Riani Costa

Graduação em Medicina – UNICAMP

Pós-graduação em Medicina Esportiva e Fisiologia do Exercício – USP

Doutorando em Fisiopatologia – EEFE/HCFMUSP

Diretor Clínico do setor de Cardiologia dos Laboratórios

Diagnósticos da América (DASA)

Fisiologista do Vita

Médico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Marco D. Leme

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Eng. de Alimentos - Instituto Mauá de Tecnologia

Nutricionista do Grupo de DOR - IOT HCFMUSP e da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Patrícia Campos-Ferraz

Graduação em Nutrição – USP

Mestrado em Ciências dos Alimentos – USP

Doutorado em Biologia Funcional e Molecular pela UNICAMP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Renata C. Sardinha

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo. Nutricionista do Bio Menu Congelados Saudáveis


Rodrigo Ferraz

Graduação em Educação Física - USP

Especialização em Treinamento Desportivo - UNIFESP/EPM

Especialista em Prevenção de Lesão e Treinamento em Pacientes Oncológicos

Preparador Físico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida